Área Exclusiva: 
Esportes - Lauro repete milagre contra o Fla, empata partida nos acréscimos e faz Lusa sorrir em Brasília
07/08/2013
Lauro repete milagre contra o Fla, empata partida nos acréscimos e faz Lusa sorrir em Brasília

Pareceu enredo de cinema. Último lance da partida. Bola na área. E Lauro repetiu um milagre. O goleiro da Lusa foi à área, testou a bola de cabeça e empatou o jogo diante do Flamengo aos 47 minutos do segundo tempo em Brasília. Em 4 de agosto de 2003, há exatos dez anos e três dias, ainda pela Ponte Preta, o goleiro marcou um gol contra o mesmo Flamengo, também no último lance. O placar foi o mesmo: 1 a 1.


De início da partida,  o resultado não parecia que seria trágico para a equipe de Mano Mais organizado no gramado do Estádio Mané Garrincha, o time comandava as ações. Marcelo Moreno, lesionado, deu lugar a Hernane. A estrutura tática não se modificou. Com Gabriel e Nixon avançados pelas pontas, o time continuava a girar em torno da vitalidade de Elias no meio de campo.


O Flamengo tentava as jogadas pelas laterais. Léo Moura iniciou bem, construindo jogadas pelo lado direito que resultavam em chances como o chute de Nixon aos nove minutos, muito bem espalmado pelo goleiro Lauro, que deixava aí seu cartão de visitas. Acuada, a Portuguesa via em Cañete e Bruno Henrique as válvulas de escape. Bem fechada no meio de campo, com cinco jogadores, aguardava apenas o contra-ataque. Teve poucas chances na primeira etapa.


Os rubro-negros, pelo contrário, apertava. Ainda que por vezes esbarrasse e limitações técnicas, não foram poucas as bolas cruzadas pela grande área, na frente de Hernane. A melhor chance no primeiro tempo, aliás, chegou com o Brocador.


No lance, ele se juntou em um lance só como o médico e monstro. Primeiro ao receber bola na grande área de ELias, aos 31 minutos, e driblar com categoria o goleiro Lauro. Mas com o gol vazio, à sua frente, o lado monstro falou mais alto e o chute mandou a bola com capricho para a linha de fundo. Parecia aquela sorte de goleiro. E era mesmo.


No segundo tempo, a situação curiosamente se inverteu. O Flamengo, antes bem postado, se desorganizou. As jogadas não encaixavam. A saída rápida para o ataque, tampouco. A Portuguesa sentiu o momento e passou a apostar mais no ataque. O jogo ficou equilibrado. A arquibancada de Brasília, ainda que mais vazia do que em outras oportunidades, tensa.


Em rápida escapa pelo lado direito, Souza cruzou para a grande área. A bola passou à frente da zaga rubro-negra e acendeu a luz vermelha de Mano Menezes. Pouco efetivo, Nixon foi sacado e deu lugar para Paulinho. Mas foi a Portuguesa que voltou a assustar, em belo chute de Bruno Henrique aos 19 minutos para defesa ainda mais bela.


No contra-ataque, o Flamengo foi letal. Gabriel lançou Paulinho na esquerda, que, de primeira, tocou para Hernane na grande área. Antes de dominar, o camisa 9 foi atropelado por Ferdinando. Pênalti claro que João Paulo cobrou bem. 1 a 0 em Brasília. Alívio rubro-negro. Mas momentâneo. A vitória parecia no bolso, o time parecia pensar no Fla-Flu. Não contavam, porém, com o novo milagre de Lauro. Aos 47 minutos do segundo tempo, escanteio para Lusa. Um filme passou na cabeça de Lauro. Ele foi à área. E repetiu o milagre. Cabeçada certeira, no canto esquerdo. Léo Moura ainda tocou na bola, mas não impediu que o enredo se repetisse. 1 a 1. Silêncio na arquibancada de Brasília. Lauro, mais uma vez, fez história.

Fonte: ESPN

Mais de Esportes

Ver Todas

Parceiros

Ver [+]

Apoio: